Mostrar mensagens com a etiqueta Albânia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Albânia. Mostrar todas as mensagens

Albânia: inscrições abertas para o Festivali i Këngës 57

por maio 16, 2018

A estação televisiva albanesa abre inscrições para o Festivali i Këngës 57. No entanto, o país ainda não confirmou a sua participação na 64ª edição do Festival Eurovisão da Canção (ESC).

A emissora albanesa convocou os cantores e compositores interessados em participar na 57.ª edição do Festivali i Këngës, final nacional que seleciona o representante da Albânia para o Festival Eurovisão da Canção. O evento deverá decorrer em dezembro como nos anos anteriores e ainda não foi revelada a data limite para as inscrições




A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Na edição de 2018, o país foi representado pelo artista Eugent Bushpepa, com a canção "Mall", que alcançou o 11º lugar na Grande Final com 184 pontos.

Recorde em baixo a participação da Albânia no ESC 2018:


Fonte: Eurovoix / Vídeo/Imagem: Eurovision.tv 

OGAE: Albânia atribui 12 pontos a Israel

por abril 07, 2018

OGAE Albânia já atribuiu os seus pontos

Israel recebeu mais uma vez os 12 pontos. O top 3 contou ainda com 10 pontos para Itália e 8 pontos para a Bulgária.




Confira a votação da OGAE Albânia: 

Alemanha - 1 Ponto
Suécia - 2 Pontos
Bélgica - 3 Pontos
Austrália - 4 Pontos
Dinamarca - 5 Pontos
Noruega - 6 Pontos
Grécia - 7 Pontos
Bulgária - 8 Pontos
Itália - 10 Pontos
Israel - 12 Pontos

Pode ver a votação geral [AQUI]

Fonte: esctoday

Apreciações Musicais - ESC 2018: Albânia

por março 18, 2018



Eugent Bushpepa - "Mall"





André Sousa: Uma melodia simples, em que o instrumental varia entre batidas fortes e ligeiras. Parece que, por momentos, estou a ouvir uma marcha militar. Aquelas batidas no tambor, remete-me um pouco para a actuação da França em 2015.

Andreia Valente: “Mall” não pertence a 2018, nem ao futuro, nem ao passado. Não tem um instrumental extremamente inovativo e não precisa de ter. O conjunto completo é perto de perfeito. 

Catarina Gouveia: Eugent Bushpepa disse, numa entrevista, que os dias das baladas interpretadas por mulheres a representar a Albânia acabaram. É verdade, mas não quer dizer que isso seja uma coisa positiva. Este rock suave é chatinho, repetitivo e esquecível. Volta, Lindita.

Daniel Fidalgo: A Albânia apresenta-se sempre com um instrumental o menos eletrónico possível. Este ano em particular não é exceção e confesso que é um dos que mais me cativa. Vai progredindo ao longo da canção, para culminar numa intensa mistura de folk rock. É muito forte e emocional, nomeadamente quando se entra no último refrão de “Mall”. 

Diogo Canudo: Uma batida moderna mas ao mesmo tempo com o seu toque de requinte. Se calhar passadas 15 músicas ninguém se lembra da proposta albanesa.

Elizabete Cruz: Este é exatamente o tipo de música que gosto de ouvir no fim de um dia stressante para poder relaxar um pouco. Tem o efeito de levar a minha mente para um lugar diferente. No entanto, acho que com o revamp a música perdeu muito do seu poder, embora já se soubesse que este não seria um revamp fácil de se fazer.

Jessica Mendes: Não estava à espera disto depois de tantos anos com a mesma fórmula. É uma música com toques mais rock mas que acabou por perder parte da sua força com o revamp. Ainda assim, tendo em conta que tiveram de cortar 1 minuto e meio, acho que a missão foi bem sucedida.

João Vermelho: O instrumental é rico em diversidade e qualidade, é diferente do que vamos ouvir das restantes participações, é uma melodia bastante cativante, pessoalmente agrada-me.

Neuza Ferreira: É um instrumental simples e bastante agradável ao ouvido, perfeitamente adequado à voz do intérprete e à letra da canção.

Patrícia Leite: A Albânia traz-nos um instrumental bem diferente da edição anterior. Este ano traz-nos um instrumental mais virado para o rock, diferente das baladas orquestrais a que nos tem habituado. Contudo, apesar da diferença que assume perante as restantes músicas, não sei se será o suficiente para que a Europa se renda. 

Pedro Anselmo: É um tema com uma melodia muito bonita que vai crescendo à medida que a canção se vai desenrolando. É um tema mais rock e diferente dos demais.

Pedro Lopes: Não tendo sido a minha favorita durante a final nacional do país, é sem sombra de dúvidas o instrumental de “Mall” o fator que me faz gostar bastante da proposta. Um tema rock forte, que já provou que consegue manter toda a sua intensidade nas atuações ao vivo.

Tiago Lopes: Uma música que começa calma, com o som de uma guitarra e uma batida, ao longo da melodia vão aparecendo mais instrumentos, o que tornam esta melodia bastante interessante. 


André Sousa: Com um voz bastante peculiar, acho que este é o ponto forte de toda a composição. É bom ver a Albânia a ser representada por uma voz masculina. A intensidade que ele consegue dar à letra, e o sentimento que coloca na interpretação são, sem dúvida, a grande mais-valia. 

Andreia Valente: Acredito que “Mall” tenha ganho na Albânia por causa da voz fenomenal de Eugent Bushpepa. Um rockeiro com um vocal range enorme e com uma sensibilidade que torna a canção melancólica e esperançosa ao mesmo tempo. 

Catarina Gouveia: Ele tem uma voz perfeita para este tipo de canção, semelhante à de vocalistas de imensas bandas do género. É irrepreensível durante toda a canção, ainda que alguns dos “gritos” me façam sangrar dos ouvidos.

Daniel Fidalgo: O aspeto mais forte desta canção. Sem dúvida que será uma das melhores, se não mesmo a melhor voz da competição. Timbre bonito e voz intensa dão forma a “Mall”, o que acaba por transmitir a mensagem da melhor maneira possível.

Diogo Canudo: Eugent tem uma voz impressionante. Os agudos são fenomenais, principalmente na parte final da canção.

Elizabete Cruz: Eugent tem uma voz rouca, maravilhosa, que eu podia ouvir o dia todo sem me cansar. É com certeza o ponto forte da proposta.

Jessica Mendes: Eugent canta maravilhosamente bem e chega a notas incríveis.

João Vermelho: Gosto do timbre do Eugent, e tem uma voz bastante potente, cativa-me bastante, Eugent é bastante carismático a cantar.

Neuza Ferreira: Eugent tem uma voz que se destaca, que é bastante agradável de se ouvir, e que acima de tudo encaixa perfeitamente no instrumental.

Patrícia Leite: A voz parece bastante segura, contudo não gosto de ouvir os agudos durante os refrões. Não soa bem durante a atuação ao vivo.

Pedro Anselmo: Eugent Bushpepa tem uma voz poderosa. Acho-o irrepreensível.

Pedro Lopes: O ano passado, era inevitável admitirmos que a voz de Lindita era o que mais marcava a canção albanesa. Este ano, Eugent não fica muito atrás. Considero a sua grande amplitude vocal como outro dos melhores aspetos do tema.

Tiago Lopes: Das melhores vozes masculinas no concurso! 


André Sousa: Espero que ele expluda um pouco mais na sua apresentação na Eurovisão. Um tema como este pressupõe que exista um pouco mais de entrega. Que o Eugent não fique tão estático em palco. 

Andreia Valente: Bushpepa não é um showman. Quando se tem uma boa canção e talento deixa de ser preciso escalar paredes. “Mall” é uma canção escrita por ele e nota-se, no palco, o sentimento por detrás de cada palavra que canta. 

Catarina Gouveia: Eugent, pelo que se viu da atuação no FiK, não parece um intérprete muito cativante em palco, passando a imagem de que está em casa a cantar ou no estúdio a gravar o single

Daniel Fidalgo: Adequada à canção. Deve-se melhorar o plano de câmara em relação à final nacional albanesa. A voz de Eugent, o seu carisma e a canção em si serão suficientes para encher o Altice Arena em maio. 

Diogo Canudo: Desde que vi logo a primeira atuação na final albanesa, fiquei logo com boa impressão. Talvez seja só preciso um remake no visual do cantor e do cenário para a presença se fortalecer. 

Elizabete Cruz: É a típica atitude de banda rock e para mim funciona assim. Não acho que sejam precisas mudanças.

Jessica Mendes: Eugent enche o palco só com a sua voz e não é preciso mais nada.

João Vermelho: Espero que aproveitem a boa onda do Eugent na sua interpretação e saibam tirar o melhor proveito disso, esta música pede um bom jogo de câmaras como no videoclip.

Neuza Ferreira: Achei a presença de palco muito fraca durante a atuação no FiK 56. Espero que hajam várias melhorias no palco da Eurovisão.

Patrícia Leite: A meu ver, o cantor ficaria melhor se não tivesse a banda no palco. Penso que ficaria melhor apenas o cantor e os backing vocals no palco.

Pedro Anselmo: Mostra-se muito confortável em palco. Uma actuação como na final nacional deverá ser suficiente para o ajudar a garantir um bom resultado.

Pedro Lopes: Já tivemos duas provas de que Eugent consegue “dominar bem” um palco com grandes dimensões. Como não deverá estar sozinho, de certeza que não se irá perder no palco de Lisboa.

Tiago Lopes: Embora Eugent consiga transmitir alguma emoção pela sua forma de cantar, falta-lhe mais interatividade com o público e com as câmaras. Tendo sido escolhido a representar o seu país ainda em dezembro, creio que terá tido tempo para melhorar estes aspetos.  


André Sousa: Uma letra que, particularmente, me toca. Sinceramente gostei da forma como está estruturada e da mensagem que passa. 

Andreia Valente: Mas que letra tão maravilhosa. “Eu quero sossegar hoje, deitado nesta cama onde os sonhos divinos curam qualquer ferida” – estou rendida. 

Catarina Gouveia: Um dos pontos mais positivos de “Mall” é ser interpretada em albanês, um idioma bonito que funciona bem nesta canção em específico. É uma canção que nos deixa completamente rendidos, tem uma escrita impecável.

Daniel Fidalgo: Uma canção que fala de saudade, da falta que se sente da família, quando não a temos por perto. Não sou grande fã do albanês, mas nesta canção soa muito bem.

Diogo Canudo: Um poema de amor sem fundamentalismos. Não me irrita o poema, acho que se enquadra perfeitamente com a proposta.

Elizabete Cruz: Fiquei tão feliz por terem mantido a letra em albanês! E mesmo sendo uma letra de amor, devo dizer que esta é uma das mais bonitas do ano, dentro do género.

Jessica Mendes: Apesar de o tema ser o amor, é uma letra extremamente bem feita e sem os lugares comuns normalmente usados.

João Vermelho: É uma letra bonita, uma construção melodicamente bem estruturada e em albanês soa bem no ouvido. Destaco esta parte: “Eu quero acalmar esta noite, deitado nesta cama onde os sonhos divinos curam cada ferida.” Profundo e com que me identifiquei.

Neuza Ferreira: Que letra magnífica e com sentido! O meu maior medo é que a letra deixe de fazer sentido quando a canção for reformulada.

Patrícia Leite: A letra da Albânia fala-nos de duas pessoas separadas fisicamente. Percebe-se o porquê da atitude quase “desesperada” do cantor em palco. 

Pedro Anselmo: Um poema de amor em albanês que fica muito bem cantada nesta língua. Felizmente, a Albânia parece não cometer o mesmo erro dos anos anteriores, em que piorou as suas canções ao traduzi-las para inglês.

Pedro Lopes: Sendo a Albânia o “país mestre” em alterar canções, já esperava que “Mall” acabasse por ser traduzido. Mas parece que já aprenderam com os erros das últimas duas edições, e que vão manter a língua nacional. Ah, vitória portuguesa…

Tiago Lopes: A Albânia volta a apostar na sua língua materna. Esta letra fala da saudade, da ânsia de ter alguém perto como outrora.  


André Sousa: Acredito que isto consiga passar à final.

Andreia Valente: A primeira semifinal é uma semifinal muito difícil. Não acho que a Albânia consiga distinguir-se o suficiente para se apurar para a final.

Catarina Gouveia: A Albânia tem adorado ficar pela semifinal, a julgar pela mediocridade que tem enviado ano após ano desde 2015. Este ano não será diferente.

Daniel Fidalgo: Se se fizer justiça, é finalista sem grande margem para dúvidas. A reputação da Albânia na Eurovisão não é das melhores, mas espero que a Europa vote em canções e não em países! Na final, merece, pelo menos, uma das primeiras 10 posições. 

Diogo Canudo: É bom que passe à final…

Elizabete Cruz: Infelizmente vejo a Albânia a ser underrated e ficar pela semifinal.

Jessica Mendes: Fica na semifinal.

João Vermelho: : Penso que não terá uma grande classificação na semifinal, acho que será complicado a passagem à final, mas quem sabe?

Neuza Ferreira: Espero que passe à final, mas tenho alguma dúvidas que isso vá acontecer.

Patrícia Leite: Infelizmente a Albânia não fará parte do lote dos finalistas na grande final.

Pedro Anselmo: Infelizmente, não a vejo a passar à final.

Pedro Lopes: Gostava muito de um retorno da Albânia à grande final do ESC. Mesmo que seja para depois ficar no bottom 5

Tiago Lopes: Dificilmente conseguirá o apuramento para a final.


André Sousa: 3 pontos.

Andreia Valente: 8 pontos.

Catarina Gouveia: 3 pontos.

Daniel Fidalgo: 12 pontos.

Diogo Canudo: 6 pontos.

Elizabete Cruz: 6 pontos.

Jessica Mendes: 8 pontos.

João Vermelho: 6 pontos.

Neuza Ferreira: 7 pontos.

Patrícia Leite: 5 pontos.

Pedro Anselmo: 4 pontos.

Pedro Lopes: 5 pontos.

Tiago Lopes: 3 pontos.

Total: 76 pontos


André Sousa: A Albânia a trazer um pouco de novidade este ano ao certame.

Andreia Valente: Se calhar a receita é mesmo não apostar em mulheres gritantes. 

Catarina Gouveia: A Albânia não está Mall, está péssima!

Daniel Fidalgo: Cara delegação albanesa, nem sequer lhe passe pela cabeça alterar seja o que for neste tema, transformando-o numa mistura esquisita de sonoridades, como já tem acontecido nos anos anteriores! E que “Mall” fique em albanês!

Diogo Canudo: Albânia a primar pela qualidade.

Elizabete Cruz: Só temos a agradecer por Eugent ter trazido de novo o albanês para a competição!

Jessica Mendes: 3 cantores de origem albanesa e aquele que vai ficar mais mal classificado é o que representa a Albânia…

João Vermelho: Que passe à final pois merece!

Neuza Ferreira: Que coisa encantadora...

Patrícia Leite: Desesperado para encontrar o amor.

Pedro Anselmo: Obrigado por não terem mudado a música para inglês, a sério!

Pedro Lopes: Um rock suportável.

Tiago Lopes: Do bem ou Mal(l), a música é cantada em albanês. 



1.º Albânia - 76 pontos.

Faça parte do resultado final das Apreciações Musicais e vote nas músicas do ESC 2018 AQUI.

Vídeo: Eurovision Song Contest

Albânia: Eugent Bushpepa quer defender "Mall" em albanês no ESC 2018

por dezembro 26, 2017

Eugene Bushpepa, representante da Albânia no Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018, deseja defender a sua canção, "Mall", em albanês.

Em entrevista com Andri Xhahu, Eugene Bushpepa, vencedor do Festivali i Këngës 56 (FiK 56),  afirmou que não quer mudar a letra de "Mall" para o idioma inglês, uma vez que as letras albanesas se encaixam na melodia da música. O seu desejo é defender a canção totalmente em albanês no Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018, em Lisboa.

"Mall" terá de passar por uma renovação, uma vez que excede os três minutos. A última vez que uma canção em albanês representou a Albânia no ESC foi em 2013, quando Adrian Lulgjuraj e Bledar Sejko interprearam "Identitet".

Reveja a atuação de Eugene Bushpepa:



A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção "Suus". Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção "World", alcançando o 14º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Reveja "World":


Fonte: Eurovoix/Vídeos: Eurovision Albania; Eurovision.tv



ESC 2018: representante da Albânia escolhido

por dezembro 24, 2017

Eugent Bushpepa ganhou a 56ª edição do Festivali i Këngës, a seleção nacional albanesa, e viajará para Lisboa para cantar "Mall" no Festival Eurovisão da Canção 2018.

Depois de duas semifinais e de uma final, ao longo de três noites em Tirana, a canção representante da Albânia foi escolhida. O júri profissional, que possuía 100% dos votos que determinariam a canção vencedora, escolheu Eugent Bushpepa, um artista albanês de 33 anos, e a sua canção "Mall".

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção "Suus". Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção "World", alcançando o 14º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Ouça "Mall":

Fonte: eurovision.tv




Albânia: quem são os finalistas do FiK?

por dezembro 23, 2017

O Festivali i Këngës, final nacional da Albânia, tem a sua final este sábado e a concurso estarão 14 cantores.

Como é hábito, os finalistas do FiK são anunciados apenas após as duas semifinais num voto da inteira responsabilidade do júri escolhido pela emissora. Na luta pelo golden ticket para lisboa estarão:


Há seis finalistas que competiram na segunda semifinal e oito na primeira. De fora ficaram David & Genc Tukiqi, Ergi Bregu-Latifllari, Evans Rama, Grupi AkullthyesIit, Grupi Lynx, Lorela, Stefi & Endri Prifti e Xhesika Pol. O resultado final dependerá apenas do júri. Saiba como acompanhar a final nacional albanesa aqui.

Fonte/Imagem: esctoday



Albânia: voto do júri do FiK 56 vale 100%

por dezembro 22, 2017

O vencedor do Festivali i Këngës 56 (FiK 56), seleção nacional da Albânia, será decidido apenas pela votação do júri; o público não irá intervir.

Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), emissora estatal da Albânia, revelou que o voto do júri no Festivali i Këngës 56 (FiK 56), seleção nacional do país que visa eleger o representante para o Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018, vai valer 100%, ou seja, o público não terá intervenção na escolha. O anúncio foi feito antes da primeira semifinal, que se realizou ontem: "nesta edição o público não votará", afirmou Klozeta Kurti.

Os apurados de cada semifinal serão conhecidos hoje, 22 de dezembro, após a realização da segunda semifinal do festival.

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção "Suus". Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção "World", alcançando o 14º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Reveja "World":


Fonte; Imagem: ESCPortugal/Vídeo: Eurovision.tv



Albânia: revelada a ordem de atuação das semifinais do 'Festivali i Këngës 56'

por dezembro 21, 2017

Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), estatal albanesa, já revelou a ordem de atuação das duas semifinais do 'Festivali i Këngës 56', a ter lugar hoje e amanhã.

Com a primeira semifinal a realizar-se já hoje, dia 21 de dezembro, a Albânia será o primeiro país a revelar a sua canção para o próximo Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018. A este nível, a RTSH também já revelou a ordem de atuação dos participantes da seletiva, sendo que, como referido, a primeira e a segunda semifinais datam para hoje e amanhã, sendo que a canção albanesa será conhecida no próximo dia 23 de dezembro.

Aceda à ordem de atuações:

Semifinal 1
1. Elton Deda
2. Mariza Ikonomi
3. Endri & Stefi Prifti
4. Evans Rama
5. David & Genc Tukici
6. Voltan Prodani
7. Eugent Bushpepa
8. Rezarta Smaja & Luis Ejlli
9. Bojken Lako
10. Manjola Nallbani
11. Redon Makashi

Semifinal 2
1. Orgesa Zaimi
2. Denisa Gjezo
3. Grupi NA & Festina Mezini
4. Lorela Sejdini
5. Artemisa Mithi
6. Ergi Bregu
7. Akullthyesit
8. Xhesika Polo
9. Inis Neziri
10. Tiri Gjoci
11. Grupi Lynx


A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção “World”, alcançando o 14º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Recorde "World":



Fonte: Eurovoix/ Imagem: Eurovisionworld/ Vídeo: Eurovision.tv

Albania: oiça as músicas do FiK

por dezembro 05, 2017

A Radio Televizioni Shqiptar (RTSH) revelou esta terça-feira as músicas a concurso no Festivali i Këngës 2017.

Ao todo são 22 os concorrentes (divididos em duas semifinais) a lutar pelo golden ticket para Lisboa. As semifinais realizam-se a 21 e 22 de dezembro e a grande final decorre a 23 de dezembro. De seguida pode ver a lista de participantes e ouvir as músicas.

Manjola Nallbani - I njëjti qiell

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção “World”, alcançando o 14.º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Fonte: RTSH/Imagem: eurovision.al



Albânia: conheça os 22 semifinalistas do Festivali i Këngës

por novembro 14, 2017

A Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), emissora estatal da Albânia, revelou os 22 semifinalistas do Festivali i Këngës 56 (FiK 56), seleção nacional do país para o Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018.

A emissora nacional albanesa, Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), já revelou os artistas que vão competir para representar a Albânia na próxima edição do Festival Eurovisão da Canção (ESC). Das 70 candidaturas, foram selecionadas, por um painel de júris (Markelian Kapidani, Luan Zhegu, Ben Andoni, Sokol Marsi e Edmond Rapi), 22. Os 22 artistas seguem agora para as semifinais do Festivali i Këngës 56 (FiK 56).

Veja a lista de participantes:

Artemisa Mithi
Bojken Lako
David & Genc Tukiqi
Denisa Gjezo
Elton Deda
Ergi Bregu-Latifllari
Eugene Bushpepa
Evans Rama
Grupi AkullthyesIt
Grupi Na & Festina Mezini
Grupi Lynx
Inês Neziri
Lorela
Manjola Nallbani
Mariza Ikonomi
Orgesa Zaimi
Redon Makashi
Rezarta Samja e Luis Ejlli
Stefi & Endri Prifti
Tahir Gjoci
Voltan Prodani
Xhesika Polo

Veja o vídeo oficial da RTSH:


A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção "Suus". Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção "World", alcançando o 14º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Reveja "World":


Fonte: ESCToday; RTHS/Imagem: RTHS/Vídeos: NewsDesk Albanian Radio Television; Eurovision.tv



Albânia: FiK a 23 de dezembro

por outubro 16, 2017


Festivali i Këngës vai voltar a ser usado como final nacional para o JESC e acontece no dia anterior à véspera de natal.

Natal já não é natal sem o FiK e, este ano, a primeira final nacional da temporada eurovisiva está marcada para 23 de dezembro. As semifinais decorrem a 21 e 22 de dezembro e os programas serão apresentados por Adi Krasta. O período de inscrições decorre entre 2 e 10 de novembro e todas as músicas devem ser cantadas em albanês e com um máximo de 4 minutos.

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção “World”, alcançando o 14.º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Recorde "World":


Fonte: Eurovoix/Vídeo: Eurovision Song Contest/Imagem: wiwibloggs



JESC 2017: a Albânia já escolheu

por outubro 15, 2017

A Albânia escolheu Ana Kondra com a canção “Mos ma prekni pemën” (Do Not Touch the Tree) como representante no Festival Eurovisão da Canção Júnior (JESC) 2017.


Depois de dezasseis canções concorrem ao Junior Fest 2017, método de seleção do representante albanês para o Festival Eurovisão da Canção Júnior (JESC) 2017,  a canção "Mos ma prekni pemën" saiu vitoriosa. 

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção Júnior em 2012 e o seu melhor resultado é o décimo segundo lugar nesse ano com Igzidora Gjeta e a canção “Kam një këngë vetëm për ju”. Em 2016, o país foi representado por Klesta Quehaja e a canção "Besoj", alcançando o 13º lugar na final com um total de 38 pontos.

Veja "Mos ma prekni pemën":


Fonte: eurovoix



Albânia: inscrições para o Festivali i Këngës em novembro

por outubro 05, 2017

Poucos dias após a confirmação da presença da Albânia no Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2018, a emissora albanesa Radio Televizioni Shqiptar (RTSH) revela qual será o período de aceitação de candidaturas para representar o país em Lisboa.

A RTSH revelou que as inscrições para a 56ª edição do Festivali i Këngës terão início a 2 de novembro e serão encerradas a 10 do mesmo mês. As propostas dos cantores e compositores devem ser entregues na Radio Tirana, e devem incluir uma canção inédita, em albanês, que não ultrapasse os quatro minutos, sendo esta interpretada pela pessoa que pretende concorrer ao festival. 

As datas do festival encontram-se por confirmar, sendo que apenas foi revelado que este acontecerá em dezembro.

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção “World”, alcançando o 14.º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Recorde "World":


Fonte/Imagem: escpedia/Vídeo: Eurovision




ESC 2018: Albânia confirmada

por outubro 02, 2017


A Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), emissora albanesa, confirmou esta segunda-feira a presença no Eurovision Song Contest 2018.

O método de seleção do cantor e da música deverá ser, como é costume, o Festivali i Këngës. Com esta confirmação e também a da Geórgia, sobe para 37 o número de países a concurso no ESC em Lisboa.

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 2004 e o seu melhor resultado é um quinto lugar: em 2012, com Rona Nishliu e a canção “Suus”. Em 2017 o país foi representado por Lindita e a canção “World”, alcançando o 14.º lugar na primeira semifinal com um total de 76 pontos.

Recorde "World":


Fonte: ESCtoday/Imagem: /Vídeo: Eurovision Song Contest



Albânia: final nacional para o JESC 2017 adiada

por outubro 01, 2017

Junior Fest 2017 foi adiado para o dia 14 de Outubro, sendo que a emissora da Albânia não anunciou as razões do adiamento.

É a segunda vez que a emissora albanesa adia a final nacional para o Festival Eurovisão da Canção Júnior 2017, sendo que desta vez o concurso foi adiado sem qualquer anúncio. Kleart Duraj, chefe da delegação albanesa, garantiu que o concurso irá acontecer a 14 de Outubro, sendo que o site da  Radio Televizioni Shqiptar (RTSH) não atualizou a informação.

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção Júnior em 2012 e o seu melhor resultado é o décimo segundo lugar nesse ano com Igzidora Gjeta e a canção “Kam një këngë vetëm për ju”. Em 2016 o país foi representado por Klesta Qehaja e a canção “Besoj”, alcançando o 13º lugar na final com um total de 38 pontos.

Reveja "Besoj":


Fonte/Imagem: ESCPortugal/Vídeo: Junior Eurovision Song Contest



Albânia: conheça os finalistas do Junior Fest 2017

por setembro 10, 2017

Radio Televizioni Shqiptar (RTSH), emissora pública da Albânia, divulgou a lista dos finalistas que irão tentar representar o país no Festival Eurovisão da Canção Júnior 2017.

A lista contém 16 participantes, que irão subir ao palco do Pallatin e Kongreseve no dia 26 de Setembro.

Conheça a lista de finalistas:

1. Ajla Buzi – DJ Pom
2. Alina Jani – Yjet (Stardom)
3. Amela Agastra – Dance Up
4. Ana Kodra – Mos ma prekni pemën (Do Not Touch the Tree)
5. Argisa Sako – Ola
6. Auron Ismaili – Shkolla e vjetër (Old School)
7. Diana Tahiri – Një sekret (A Secret)
8. Jana Shala – Si një melodi (Like a Melody)
9. Klaudia & Eliza Thartori – Garderoba (Wardrobe)
10. Kleanca Susaj – Melodi (Melody)
11. Kristiana Veshaj – Profesioni (Profession)
12. Sara Bajraktari – Flas me ëndrrën (I Speak with Dreams)
13. Uendi Goga – Të japim ty një shpresë (Let’s give you hope)
14. Valeria Cara – Kohën pas ta kthej (Time to return)
15. Vivian Biaggioni – Si në përrallë (In the Fairytale)
16. Vivian Kokeri – Historia që nuk flet (History Does not Speak)

A Albânia estreou-se no Festival Eurovisão da Canção Júnior em 2012 e o seu melhor resultado é o décimo segundo lugar nesse ano com Igzidora Gjeta e a canção “Kam një këngë vetëm për ju”. Em 2016 o país foi representado por Klesta Qehaja e a canção “Besoj”, alcançando o 13º lugar na final com um total de 38 pontos.

Reveja "Besoj":


Fonte/Imagem: Eurovoix/Vídeo: Junior Eurovision Song Contest



OGAE: Albânia atribui 12 pontos à Itália

por abril 25, 2017

A votação da OGAE Albânia já foi revelada e a os seus 12 pontos reforçam a liderança de Francesco Gabbani e "Occidentali's Karma".

A delegação italiana soma mais 12 pontos e lidera a votação geral com mais de 100 pontos de distância ao segundo lugar, a Suécia. Portugal não foi pontuado pela OGAE Albânia. Veja a votação geral aqui.

Confira a votação da OGAE Albânia:

Itália- 12 pontos
Bélgica- 10 pontos
Suécia- 8 pontos
Reino Unido- 7 pontos
Israel- 6 pontos
França- 5 pontos
Macedónia- 4 pontos
Suíça- 3 pontos
Bulgária- 2 pontos
Dinamarca- 1 ponto
Fonte: escpedia

Apreciações Musicais - ESC 2017: Albânia

por março 17, 2017


LINDITA- "WORLD"



André Sousa: Se há coisa que eu gosto na Albânia são os seus instrumentais. Apresentam, em norma, algo intenso, bem composto. Harmonicamente, gosto bastante da composição. Toda a conjunção entre instrumentos faz com que a canção resultem bem.

Andreia Valente: Um instrumental muito forte que se destacará por não ser eletrónico. “World” soa a uma música que poderia ter concorrido em qualquer ano desta década mas nunca caí no antiquado.

Catarina Gouveia: Seria um dos melhores instrumentais do ano se não fosse tão ofuscado pelos coros excessivos. Ainda assim, é uma canção bastante poderosa, com um final arrebatador. A Albânia sabe que teve o tema mais medíocre e enfadonho de 2016, e em 2017 conseguiu redimir-se.

Daniel Fidalgo: Demasiado produzido. Há demasiado a acontecer em simultâneo. Faz com que a melodia não seja bem definida.

Diogo Canudo: Talvez das melhores músicas que a Albânia levou nos últimos anos e uma das mais consensuais do país também. Um instrumental que junta o clássico com o moderno, e que prima pela qualidade e por um instrumental impressionante.

Elizabete Cruz: No lote das baladas esta é com certeza das mais esquecíveis. Nem as guitarras ajudaram a salvar a situação.

Jessica Mendes: “Botë” nunca me tinha chamado a atenção mas o revamp fez-me gostar bem mais desta proposta. É poderosa e a melodia do piano é fantástica.

Joana Raimundo: Penso que um instrumental bonito já faz parte da Albânia, e este ano… Quase que não chega lá. Está super confuso.

Neuza Ferreira: A-rra-sa-dor. Bom, bom, bom. Comparando ao do ano passado, é uma masterpiece.


André Sousa: Destaco a voz como o ponto mais positivo da composição. Uma voz forte, demarcada, com as palavras bem abertas. Saliento ainda a facilidade da Lindita atingir as notas que são pretendidas.

Andreia Valente: O mérito da seleção albanesa resume-se sempre na escolha de vocalistas fenomenais e Lindita não foge à regra, sendo uma das vocalistas mais poderosas deste ano. 

Catarina Gouveia: A meu ver, gritaria não é necessariamente arrasar vocalmente. É uma interpretação excelente até chegarmos aos 2 minutos da canção e ficarmos com uma dor de cabeça descomunal.  

Daniel Fidalgo: Lindita tem um aparelho vocal inacreditável. Mas a sobreprodução do tema, em paralelo com uma voz poderosa, torna “World” numa explosão de barulho difícil de ingerir. 

Diogo Canudo: Adoro a voz de Lindita. Super afinada e tem estofo o suficiente para atingir todas as notas com facilidade.

Elizabete Cruz: Mesmo com uma música que não vale muito, Lindita distingue-se por ser uma das que grita mais. Ainda bem, no meio de tanta música calma alguém tem que nos acordar.

Jessica Mendes: Lindita tem indiscutivelmente uma das melhores da Eurovisão deste ano e aquela nota longa é impressionante, mas por vezes sinto-a engolida pelo instrumental.

Joana Raimundo: Tem potencial, especialmente na parte final. Em geral, é fraca mas até à Eurovisão, pode ser que melhore.

Neuza Ferreira: Vocais incriveis. Voz incrivelmente poderosa.


André Sousa: A intérprete não necessita de muito para deixar a sua marca. Só a sua postura é um marco forte em termos visuais. Detentora de uma sensualidade enorme, a intérprete consegue cativar quem assiste à sua performance. 

Andreia Valente: Lindita não é estranha nenhuma aos grandes palcos e está muito claro que a interprete vai liderar esta canção com a garra que é precisa para encher o palco de Kiev. 

Catarina Gouveia: Lindita tem imenso carisma ao defender a sua canção. Admito que inseria em palco uns violinos ou uma bateria para o trabalho de câmaras ser mais dinâmico, pouco mais do que isso.

Daniel Fidalgo: A voz acaba por sobressair e marcar a presença da cantora em palco. Carisma e elegância caracterizam a postura da cantora, que deve ser mantida em Kiev.

Diogo Canudo: Basta apenas ter um microfone à frente para Lindita arrasar. Não é preciso para esta proposta efeitos visuais e cénicos. Lindita é uma intérprete com I grande e chama logo a atenção em qualquer palco. Espero que mantenha a mesma atitude com que levou à final da Albânia em dezembro.

Elizabete Cruz: Lindita consegue chamar a atenção, mas não tenho a certeza se conseguirá fazer o mesmo a cantar em inglês. Afinal, é muito mais fácil exprimirmo-nos na nossa língua materna.

Jessica Mendes: Quando se tem uma voz destas, não é preciso mais nada.

Joana Raimundo: A Lindita bem que tenta, mas para uma música um pouco mais pesada, ela está aquém do esperado, com expressões de sofrimento demasiado forçadas. 

Neuza Ferreira: Expressiva, tendo em conta a letra e também o instrumental.


André Sousa: Toda a letra fala de dor e sofrimento. Mostra uma força enorme e cantada desta forma é um arraso. 

Andreia Valente: Adorava poder ouvir a versão albanesa desta canção em Kiev porque tem uma sonoridade muito especial, mesmo que a mensagem não fosse universal, mas o revamp foi muito bem feito. “World” é uma mensagem de paz que vem de um sentimento de desespero e  o instrumental transparece exatamente isso.

Catarina Gouveia: Tudo bem que é sempre bom relembrar o mundo de que o amor nos une e que as guerras não prestam, mas é uma temática mais que batida no festival. É mesmo ter preguiça de puxar um pouco pela originalidade.

Daniel Fidalgo: Preferia, de longe, a versão albanesa. O inglês acaba por tornar a canção menos interessante e terá mais dificuldades em de destacar num concurso cada vez menos cultural e mais homogéneo.

Diogo Canudo: Uma letra de dor, de angústia, com o uso de algumas metáforas, que consegue passar tudo aquilo que a cantora quer transmitir. Apesar de estar melodicamente e liricamente bem construída, transmite imensa força.

Elizabete Cruz: A Albânia é doutorada em transformar músicas engraçaditas em nada de especial por traduzirem a letra para inglês. O que perdoa ligeiramente a situação é a letra merecer ser entendida.

Jessica Mendes: Este tipo de letra cai sempre em alguns clichés mas gosto bastante do verso que muda no último refrão e que assim faz com que a música comece com uma questão e acabe com um desejo.

Joana Raimundo: Bastante dramática, com um toque de dor e sofrimento, em inglês, penso que perdeu algum impacto.

Neuza Ferreira: Intensa, dramática. Gosto. Só é pena o refrão ser um pouco fraco.


André Sousa: Apesar de conseguir um lugar na final, não irá ficar bem classificada.

Andreia Valente: Acho justo, não só passar à final, mas ficar no Top 10. No entanto, seja o stagging ou a ordem da atuação desfavoráveis, é possível  que a Albânia não atinja o Top 10.

Catarina Gouveia: A Albânia tem tudo para regressar à final do festival e conseguir um resultado a meio da tabela.

Daniel Fidalgo: Terá dificuldades em alcançar o apuramento.

Diogo Canudo: Ficará na final nos últimos 10 lugares.

Elizabete Cruz: Não consigo prever uma final para isto.

Jessica Mendes: Tem de ir à final.

Joana Raimundo: Provavelmente chegará à final. 

Neuza Ferreira: Não passa à final.


André Sousa: 7 pontos.

Andreia Valente: 10 pontos.

Catarina Gouveia: 6 pontos.

Daniel Fidalgo: 5 pontos.

Diogo Canudo: 6 pontos.

Elizabete Cruz: 3 pontos.

Jessica Mendes: 8 pontos.

Joana Raimundo: 4 pontos.

Neuza Ferreira: 7 pontos.

Total: 56 pontos


André Sousa: Só espero que não estraguem mais um bom tema. 

Andreia Valente: A identidade Albanesa está viva e que lindita ela é. 

Catarina Gouveia: Fiquei sem tímpanos. 

Daniel Fidalgo: Por vezes, “mais é menos”…

Diogo Canudo: Já chega de mudarem as músicas que já estão boas à toa!

Elizabete Cruz: Albânia, a estragar músicas desde sempre.

Jessica Mendes: Se acham a nota longa da Lindita impressionante, deviam ouvir-me de cada vez que o Benfica marca um golo.

Joana Raimundo: Revamp fail. 

Neuza Ferreira: O que é bom acaba depressa, sadly.


1.º Albânia - 56 pontos.

Vídeo: Eurovision Song Contest
Com tecnologia do Blogger.