Featured Slide

5/slideshow/custom

ESC 2017: Kiev vai encher-se de atividades e lugares eurovisivos!

por março 24, 2017

O Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2017 está a preparar milhares de atividades que vão acontecer em maio, em Kiev, Ucrânia.

O Poshtova Square, Sophia Square, St. Michael’s Square, Troitska Square, Khreshchatyk Street serão os principais locais que irão acontecer as atividades. 

O Sophia Square será inaugurado no dia 30 de abril e terá uma grande palco onde todos os artistas ucranianos irão atuar. Além disso, haverá um espetáculo de laser 3D bem como um parte infantil, que será montado no St. Michael's Square. Também, na Poshtova Square, será albergado o projecto Retrospective of Eurovision, onde todos poderão cantar as canções ESC (karaoke); e, na Troitska Square, os visitantes serão entretidos e tratados com música jazz e clássica.

A Eurovision Village, o local onde todos poderão desfrutar de atuações ao vivo dos artistas eurovisivos e ter um ecrã gigante onde serão exibidas as semifinais e a final, ficará na Rua Khreshchatyk.

O ESC 2017 será realizado nos dias 9, 11 e 13 de maio, em Kiev, Ucrânia.

Fonte/Imagem: ESCToday.com

Apreciações Musicais - ESC 2017: Portugal

por março 24, 2017


SALVADOR SOBRAL - "AMAR PELOS DOIS"



André Sousa: Será que há tema mais envolvente que o português? Com um instrumental bastante clássico e “limpo”, a canção interpretada por Salvador Sobral destaca-se pela sua originalidade, e pela sua simplicidade. Isto é a prova viva de que não se precisa de muito, apenas de uma letra marcada, de uma voz clara e de uma envolvência pautada pela humildade. 

Andreia Valente: “Amar Pelos Dois” é mesmo a pérola dentro da ostra. Não há nada que alguma vez se tenha assemelhado a esta composição de Luísa Sobral. É um instrumental único que não tenta adaptar-se ao que todos chamam “fórmula eurovisiva” e é este o fator distintivo que está a causar furor no público eurovisivo. A autenticidade desta canção e deste artista é algo que a Eurovisão não está habituada.

Catarina Gouveia: Sempre disse que este era o único tema do Festival da Canção que imaginava na Eurovisão, mesmo que não fosse o meu favorito. Isto não faz minimamente o meu género, mas lá que gosto, gosto. A orquestração é simplesmente brilhante.

Daniel Fidalgo: Datado? Não, atemporal! Algo que nos remete para uma altura onde música era composta apenas por instrumentos reais e nada de sons eletrónicos. Algo impensável para a maioria. Poderia fazer parte da trilha sonora de um clássico da Disney ou do recente musical “La La Land”.

Diogo Canudo: “Amar pelos Dois” apresenta um instrumental clássico, que nos faz lembrar algumas músicas (as mais marcantes) do século passado. No entanto, é mais do que uma simples canção clássica. Tem magia, consegue adequar-se aos tempos modernos, consegue transmitir todos os sentimentos sem ligar a estes detalhes. O importante na música é sentir. E, mesmo que não se goste do estilo musical, mesmo que não se entenda uma palavra do que o Salvador diz, o instrumental consegue embalar o ouvinte para um outro mundo. Parabéns!

Elizabete Cruz: Admito que este instrumental não me cativou logo de início e tive que aprender a aprecia-lo. Mas quando se chega a esse ponto é fácil perceber a sua beleza e como ele é capaz de sensibilizar. Tudo bem, não soa moderno. Mas soa melhor que dois terços do festival deste ano e faz sentir alguma coisa, ao contrário de todas as outras músicas. 

Jessica Mendes: “Amar pelos dois” é um daqueles temas que prova que muitas vezes “menos é mais”. É uma música simples e bonita que nos remete para outra era. Confesso que ainda não encontrei a magia que todos lhe veem, mas vamos bem representados.

Joana Raimundo: As maravilhas da Luísa Sobral. Conseguiu trazer até nós um vibe dos anos 50, com sons a lembrar músicas brasileiras. É do mais belo que haverá este ano no palco eurovisivo.

Neuza Ferreira: Simples, mas perfeito. Uma autêntica masterpiece. Do melhor que já apresentámos.


André Sousa: Já desde a sua participação no programa Ídolos  que conhecia a voz do Salvador Sobral. Uma voz bastante particular e singular. Detentor de um estilo de cantar muito peculiar, destaca-se pela originalidade como interpreta cada tema. No que concerne ao ano de 2017, considero que é umas das vozes masculinas mais bonitas em competição.

Andreia Valente: Ao contrário de todos os países, nós não escolhemos um cantor para nos representar. Nós escolhemos um artista de uma autenticidade extraordinária, de uma voz pura, de um sentimento lindíssimo. É impossível não ficar com o coração derretido a ouvir o Salvador Sobral. 

Catarina Gouveia: Salvador tem um timbre doce, que envolve qualquer pessoa que o ouve, mesmo que não entenda nada do que é cantado. Se nem sem earpiece falha, o que pode falhar?

Daniel Fidalgo: Uma voz delicada, que desperta emoções no público. Vagueia por um timbre influenciado pelo Jazz, ao mesmo tempo que transmite o sentimento de calma e serenidade.

Diogo Canudo: Já conhecia o Salvador Sobral devido ao último álbum que ele tinha lançado, e já desde aí que achava que ele tinha uma voz especial (tal como tem a sua irmã Luísa Sobral). Penso que o Salvador, mesmo que seja bastante novo, é um diamante em bruto, aqui e em qualquer parte do mundo. Há muitos cantores que têm vozes bonitas. Há outros como o Salvador que, além de vozes bonitas, passam-nos sentimentos. Um orgulho ter rapaz a representar o nosso país!

Elizabete Cruz: Salvador tem uma voz muito peculiar e ao mesmo tempo muito querida. Dificilmente alguma voz deste ano consegue sequer se assemelhar à dele. Pode não ser a melhor, mas é diferente e soa muitíssimo bem portanto isso já são mil pontos a favor.

Jessica Mendes: Não sou a maior fã da voz do Salvador mas acho que se encaixa perfeitamente nesta música.

Joana Raimundo: A voz do Salvador é de trazer as lágrimas aos olhos. É uma voz diferente, cristalina e lindíssima. Não vai haver falhas, e de certo que irá marcar muitos na Eurovisão com a sua magia.

Neuza Ferreira: Boa, boa, boa.  É uma voz tão limpa e suave.


André Sousa: Nada mais se precisa. Apenas da simplicidade de tudo. De uma roupa confortável, da atenção da plateia para o que é cantado, e da expressividade do cantor. Fantástico. Soberbo.  

Andreia Valente: Eu espero que, na preparação para Kiev, os irmãos Sobral digam: “Não queremos LEDs, luzes psicadélicas nem máquinas de fumos. Dêem-nos um spotlight à Sinatra e o Salvador faz o resto!”. O mérito desta performance é a peculiaridade com que o Salvador atua e o seu estilo completamente desenquadrado, e esse deveria ser o foco da atuação. Não usem os ecrãs de fundo, não metam o rapaz num fato formal, não cortem o cabelo, não cortem a barba e não contenham a expressividade do Salvador: só assim resultará!

Catarina Gouveia: Só consigo ver overacting nesta performance. Só isso. Mas parece que as pessoas estão a adorar que o nosso intérprete pareça uma barata moribunda em palco, portanto é deixar para lá!

Daniel Fidalgo: Extremamente original. Salvador não precisa de imitar para impor o seu modo de estar em palco. Em Kiev, quanto mais simples e intimista for a apresentação do tema, mas pontos cairão no nosso país.

Diogo Canudo: Para quê efeitos especiais? Para quê bailarinos? Para quê um coro em palco? Salvador Sobral consegue agarrar o telespectador com imensa facilidade, é demasiado carismático, simpático e meigo a cantar. Mesmo que muita gente o critique pelos movimentos corporais estranhos que faz em palco, eu acho que isso ainda dá mais diferença à canção, torna-a autêntica. Espero que o Salvador se mantenha fiel a si mesmo, e não ligue a estes comentários tristes.

Elizabete Cruz: Aqui está algo que me preocupa. Não há dúvidas que o Salvador é muito expressivo e depois de entender a letra também entendemos que a sua interpretação tem tudo a ver. Mas há vários factos a ter em conta: as pessoas não entendem a letra e portanto não entendem a interpretação; os tiques do Salvador podem demorar a ser aceites e não temos esse tempo todo e, sobretudo, pode acontecer que a atenção fuja da música para esses mesmos tiques. Sei que são coisas que não vão mudar, que fazem parte dele e nem vou reclamar. Mas são coisas que me deixam a pensar.

Jessica Mendes: Há muita gente que odeia a maneira como ele está em palco mas eu acho que é isso que dá vida à canção. Acho a interpretação dele deliciosa.

Joana Raimundo: Muitos dizem que a presença de Salvador os fazem desconfortáveis, e mal conseguem olhar para ele. Eu, adoro. Tem tudo a ver com a canção, são uns maravilhosos “tiques”, que tornam toda esta atuação única e diferente.

Neuza Ferreira: Completamente adequada à música. A mimica que o Salvador faz é qualquer coisa de extraordinário e é super aprazível.


André Sousa: A letra é algo de fascinante. Uma prova de amor linda, um poço de sentimentos incapaz de se encontrar o fundo. Ao ler este poema vejo que vale a pena, que vale sempre a pena quando se aposta em letras com conteúdo, em letras com sentimento.

Andreia Valente: Não há letra mais bem escrita, mais emocional, mais maravilhosa do que a letra que Luísa Sobral escreveu.  Simplesmente magnífica. 

Catarina Gouveia: Provavelmente se me pusessem esta letra em inglês à minha frente eu diria que era básica e lamechas. Portanto vou apenas dizer que é básica e lamechas. Mas soa tão, tão bem!

Daniel Fidalgo: Um verdadeiro poema. Valoriza a nossa língua, tornando-a doce e delicada, ao ponto de não serem necessárias traduções para se chegar ao significado da canção.

Diogo Canudo: É a melhor letra romântica deste Festival Eurovisão da Canção 2017, disso não tenho dúvidas. É uma letra que faz jus ao instrumental e ao seu intérprete. Melodicamente e liricamente muito bem construída, com uma forte mensagem.

Elizabete Cruz: O poema desta música é absolutamente lindo. Apesar de ser uma letra sobre alguém que foi rejeitado e ainda espera recuperar o seu amor, a forma como o poema está construído dá perfeitamente para passar o estado de espírito dessa mesma pessoa e o desespero dela. Longe de coisas generalistas, esta é uma letra carregada de sentimento.

Jessica Mendes: Uma letra de amor que foge completamente aos clichés habituais. Mais um ponto a favor desta canção.

Joana Raimundo: Acho que provavelmente até muita gente se identifica com a letra. Quando se ama tanto alguém e o amor não é correspondido. Esta letra condensou na perfeição esse sentimento. 

Neuza Ferreira: Linda. Escusado será dizer que se isto fosse traduzido iria ser a maior porcaria de sempre. Um poema simples, completo e perfeito em Português.


André Sousa: Só espero que este ano Portugal faça história. Eu acredito nisso. 

Andreia Valente: A primeira semifinal é muito complicada mas rezo que tenhamos um lugar na final. Na final, merecemos um Top 10, no mínimo. 

Catarina Gouveia: Acredito verdadeiramente que este será o ano em que Portugal irá regressar à final. E isso, por si só, já seria maravilhoso. Contudo, não tenho expetativas quanto à conquista de um resultado melhor que o de Lúcia Moniz. 

Daniel Fidalgo: Vai à final e, quem sabe, se não surpreenderá tudo e todos com um resultado nunca antes visto em Portugal.

Diogo Canudo: Se houver justiça neste mundo, Portugal está no top 10 do ESC 2017. Mesmo que seja no 10º lugar.

Elizabete Cruz: Eu acho que merecemos o top 10. Não vamos ter nada disso, mas eu acho. Okay... um lugarzinho na final já me deixa feliz, daí para a frente é bónus.

Jessica Mendes: Não sei se chega à final, mas pelo menos não nos envergonha.

Joana Raimundo: Final, obviamente. E vou partir crânios se, pelo menos isso, não acontecer. 

Neuza Ferreira: Top 10.


André Sousa: 10 pontos.

Andreia Valente: 10 pontos.

Catarina Gouveia: 8 pontos.

Daniel Fidalgo: 10 pontos.

Diogo Canudo: 10 pontos.

Elizabete Cruz: 7 pontos.

Jessica Mendes: 7 pontos.

Joana Raimundo: 7 pontos.

Neuza Ferreira: 8 pontos.

Total: 77 pontos.


André Sousa: É por isto que tenho orgulho de ser Português!

Andreia Valente: É um orgulho ser portuguesa este ano. Será um orgulho ver o Salvador subir ao palco de Kiev.

Catarina Gouveia: Adoro? Não. Mas se é nosso a pessoa apoia!

Daniel Fidalgo: Orgulho de ser português!

Diogo Canudo: Obrigado por nos fazeres acreditar, Salvador!

Elizabete Cruz: Salvador, meu lindo, vais ter mesmo que amar por 10 milhões!

Jessica Mendes: Eu moro perto de Fátima, com jeitinho ainda vou pedir um milagre ao papa dia 13.

Joana Raimundo: Máquina de fazer chorar.

Neuza Ferreira: Cuidado que vem aí o Éder.


1.º Azerbaijão - 77 pontos; 2.º Portugal - 77 pontos; 3.º Finlândia - 68 pontos; 4.º Bélgica - 63 pontos; 5.º Austrália - 60 pontos; 6.º Albânia - 56 pontos; 7.º Geórgia - 46 pontos; 8.º Montenegro - 41 pontos.


AVALIA TU TAMBÉM AS MÚSICAS DO ESC 2017!

Este ano, a pontuação final será descoberta pela junção de votos do público (os nossos leitores) e do júri (a equipa CE). Para isso, basta apenas pontuar de 0 a 12 cada música a concurso [AQUI].

Vídeo: Eurovision Song Contest

JESC 2017: Malta abre inscrições

por março 24, 2017

Malta é o sétimo país a confirmar a participação no Festival Eurovisão da Canção Júnior 2017 e já estabeleceu a data de entrega das candidaturas.

A emissora vai receber candidaturas apenas no dia 21 de Abril e as mesmas devem ser entregues no PBS Creativity Hub, em Gwardamanga, entre as 9h e as 16h, em formato de CD. O CD deve ter a versão completa de um cover e uma versão karaoke, com backing vocals e sem a voz principal. O valor da inscrição é de 500 euros.

Um júri escolherá 10 crianças com base nas gravações e as mesmas serão anunciadas no dia 10 de Maio. As mesmas atuarão numa audição no dia 10 de Junho e o vencedor será anunciado no dia 12 de Maio. A canção será depois decidida pela emissora.

Malta estreou-se no Festival Eurovisão da Canção Júnior no ano de 2003 e já ganhou duas vezes: em 2013 com Gaia Cauchi e a canção “The Start” e no ano de 2015, em que foi representado por  Destiny Chukunyere e a canção “Not My Soul”, com um total de 186 pontos.

Portugal: imprensa nacional destaca conflito entre a Ucrânia e a Rússia

por março 23, 2017

Os últimos dias têm sido assolados com notícias sobre a proibição de Yulia Samoilova, representante russa no Festival Eurovisão da Canção 2017 de entrar no território ucraniano. A imprensa portuguesa não ficou indiferente ao assunto.

foram vários os jornais e diários digitais que noticiaram o banimento da cantora russa do território ucraniano após ela ter atuado na Crimeia sem autorização das autoridades da Ucrânia. A imprensa deu destaque à tensão política dos dois países, demonstrando a opinião dos vários intervenientes nesta situação. A Rádio e Televisão de Portugal (RTP), emissora portuguesa, aproveitou ainda o momento para publicitar a canção de Salvador Sobral, reforçando o sucesso que a mesma tem tido entre os eurofãs.

Leia as notícias [AQUI], [AQUI][AQUI][AQUI][AQUI] e [AQUI].


ESC 2017: Julia Samoylova poderá atuar sem ir à Ucrânia

por março 23, 2017

Depois de as autoridades ucranianas terem banido Julia Samoylova [aqui], a cantora que a Rússia escolheu como sua representante para 2017, a EBU oferece à Rússia uma solução inédita.

A solução passa pela atuação de Julia Samoylova via internet sendo que, desta forma, a cantora poderia atuar sem ter de se deslocar à Ucrânia. Este método é completamente novo e vai de encontro a um problema também inédito. De seguida pode ler o comunicado da EBU na integra.

"Tendo em conta que este banimento pode ser apoiado pelas autoridades ucranianas e, de forma a manter a natureza não-política do Eurovision Song Contest, a EBU tem trabalhado arduamente para encontrar uma solução para esta situação e tomou a decisão de ofereceu ao canal russo Channel One a chance de Julia Samoylova participar na edição deste ano por ligação via satélite. Se a Rússia se qualificar para a final a mesma solução será aplicada. Isto é algo que nunca foi feito antes nos 60 anos de história do concurso mas, no espírito de manter os valores de inclusão da Eurovisão, e para ir de encontro ao slogan deste ano, a decisão foi tomada para garantir que todos os 43 participantes possam participar.

O supervisor executivo do Festival Eurovisão da Canção, Jon Ola Sand, declarou: “Nós continuaremos o nosso diálogo com as autoridades ucranianas com a ambição de conseguir ter todos os artistas a atuar presencialmente em Kiev, que é a nossa preferência. É imperativo que o ESC se mantenha apolítico e, dado as circunstâncias em que se encontra o banimento de Julia, sentimos que era importante propor uma solução que transcenda este problema. Nós oferecemos ao Channel One Russia a oportunidade de Julia atuar via satélite, dado ser a intenção da EBU que todos todas as delegações escolhidas participem no Festival Eurovisão da Canção, como tem acontecido em todos os eventos da história do certame.

Frank-Dieter Freiling, presidente do grupo de referência, expressou a sua esperança de que as autoridades ucranianas não implementem a medida que bane Julia de viajar para a Ucrânia e que encontrem uma solução de acordo com o slogan deste ano «Celebrate Diversity»".

(Atualização) Entretanto Vyacheslav Kyrylenko, vice-Primeiro Ministro ucraniano, já veio dizer que esta solução vai contra as leis ucranianas já que não são permitidas transmissões com pessoas banidas do país.

Fonte: Eurovision.tv

Apreciações Musicais - ESC 2017: Montenegro

por março 23, 2017


SLAVKO KALEZIC - "SPACE"




André Sousa: Não sei o que diga do tema do Montenegro este ano. Um país que aposta sempre tão bem nos seus representantes, este ano foi um balde de água fria. Não consigo classificar. 

Andreia Valente: Uma das combinações mais curiosas do ano: EDM e disco. Esta será a música que fará toda a audiência dançar em Kiev. Tem uma batida contagiosa e um refrão que fica na cabeça- a fórmula para o sucesso.

Catarina Gouveia: Confesso que fiquei maluca quando ouvi isto pela primeira vez. É mesmo o género de música que eu adoro, pronto. Tem sido um tanto ou quanto controversa entre os eurofãs, mas quanto mais ouço mais adoro. É super contagiante, memorável e marcante.

Daniel Fidalgo: No refrão, o instrumental explode com um groove particularmente interessante.    

Diogo Canudo: “Space” faz-me lembrar “Dance With Me” de Zoli Adok (Hungria, 2009). Apesar de ser um tema animado, é super cliché, oldfashion e chega mesmo a roçar o azeiteiro. Instrumental de muito mas muito mau gosto!

Elizabete Cruz: Isto é tão mau, mas tão mau... que eu acabo a ouvir vezes demais. Qual é o meu problema? Não sei... mas não muda o facto de que acho isto muito mau.

Jessica Mendes: Eu tentei ouvir isto até ao fim, mas não consegui (até o youtube bloqueou). Eu tenho visto muita porcaria (para não usar outra palavra) na Eurovisão, mas isto é outro nível. Hello, não são só gays a ver a Eurovisão e mesmo os que são de certeza que se sentem ofendidos com isto.

Joana Raimundo: Não queriam música festivaleira? Ora, aqui está um instrumental que mete toda a gente a dançar! 

Neuza Ferreira: É cativante... Só isso.


André Sousa: Não digo que a voz do interprete seja má, mas também não me soa nada bem. Sinceramente, continuo sem uma opinião formada sobre este tema.

Andreia Valente: Slavko Kalezic tem das piores pronúncia inglesa dos intérpretes. A voz não tem nada de especial e a canção não requer um registo amplo. Slavko vai acabar por fazer se encostar muito ao instrumental.

Catarina Gouveia: Certifiquei-me de que Slavko tem uma boa voz ao vivo. O que não sei é se tem uma voz que aguente a coreografia que esta música exige. 

Daniel Fidalgo: O aspeto mais pobre desta canção. Um timbre relativamente pobre e com pouca textura.

Diogo Canudo: Não sei como é o Slavko ao vivo, mas não me parece que vá ter grandes dificuldades vocais. A música também não é nada exigente!

Elizabete Cruz: É só uma voz comum que não tem interesse nenhum quando há tanta coisa para nos deixar de boca aberta.

Jessica Mendes: Não podemos acusar Montenegro de falta de coerência. A música e a letra são más por isso escolhem um cantor mau também.

Joana Raimundo: Às vezes pudemos pensar que espetáculo a mais, possa ser para disfarçar a má voz. Neste caso, espero que isso não seja o caso de Slavko.

Neuza Ferreira: Comum ao que anda por aí.


André Sousa: Não conheço nenhuma performance, mas pelo que vi no videoclip podemos esperar em palco algo bastante extravagante. È esperarmos para ver.

Andreia Valente: O carisma de Slavko vai resultar numa atuação excêntrica. Bem que precisávamos de uma diva excêntrica este ano!

Catarina Gouveia: Eu estou a apostar os meus órgãos todos no arraso desta canção. Eu quero uma coreografia que me deixe desmaiada no chão, pirotecnia, luzes a piscar e todos os apetrechos a que eu tenho direito!

Daniel Fidalgo: Sem dúvida que em Kiev vamos assistir a muita linguagem corporal e a muito movimento de cabelo. 

Diogo Canudo: Vou estar à espera de algo muito assustador em palco. Muitas plumas, muitos corpos nus, um cabelo enorme a fazer de cauda com uma coroa, e uma coreografia demasiado sexual. Solta a franga, Slavko!

Elizabete Cruz: Estou totalmente a prever uma actuação que facilmente seria aceitável no Pride. É esperar para ver.

Jessica Mendes: Se for como o vídeo tem tudo para correr bem. Estou ansiosa por ver.

Joana Raimundo: Acredito que será algo de muito, muito especial. Talvez até algo nunca visto na Eurovisão que deixará todos de boca aberta e que muitos vão querer desviar o olhar mas vão estar tão espantados com o que está a acontecer em palco que não vão mesmo conseguir não olhar. Só falta saber com quem é que o Slavko vai bater com aquela trança.

Neuza Ferreira: Que a presença de palco seja bem melhor do que o resto. Que martírio.


André Sousa: Poluição. Apenas isso, poluição.

Andreia Valente: Depravadamente sexual e sem qualquer remorso. Completamente adequada para a performance de Slavko! Crianças, afastem-se da televisão!

Catarina Gouveia: A prova de como até uma música com a temática mais cheesy pode ser bem escrita e ser até uma das mais originais do ano.

Daniel Fidalgo: Não é propriamente um poema… mas joga muito bem nesta festa de glitter. 

Diogo Canudo: “A nossa linguagem corporal vai arrasar as estrelas”, “Vamos subir através da Via Láctea”, “Mostra-me os teus super poderes, eu sou Vénus e Marte”… Palavras para quê? Mas que obra prima!

Elizabete Cruz: Olhem, eu nem fui ler a letra, mas sei cantar o refrão todinho. E sinto-me envergonhada por isso.

Jessica Mendes: A palavra que eu queria usar para o instrumental mas não usei porque ainda me sobra alguma réstia de respeito por quem fez uma música a gozar com a nossa cara, aplica-se também à letra.

Joana Raimundo: O que há para comentar acerca desta letra? Tudo o que parece um gozo, é sempre bem vindo ao meu top 10 pessoal. Pelo menos é das mais divertidas e mais fácil de decorar para cantar.

Neuza Ferreira: Enfadonha que dói. Que pesadelo autêntico.


André Sousa: Espero que fique pela semifinal. 

Andreia Valente: Não vejo Montenegro a passar à final.

Catarina Gouveia: Quero acreditar que as pessoas ainda serão conquistadas por esta canção. Sendo o país que é, é difícil imaginar “Space” na final, mas quem sabe?

Daniel Fidalgo: Espero ver este tema na Grande Final! 

Diogo Canudo: Espero, sinceramente, que consiga o último lugar da 1ª semifinal.

Elizabete Cruz: O último lugar é bom demais.

Jessica Mendes: Se houver justiça, acaba com zero pontos.

Joana Raimundo: Montenegro, eu deixo-te ir à final para ires divar! 

Neuza Ferreira: Não vai à final.


André Sousa: 1 ponto.

Andreia Valente: 7 pontos.

Catarina Gouveia: 12 pontos.

Daniel Fidalgo: 8 pontos.

Diogo Canudo: 0 pontos.

Elizabete Cruz: 1 ponto.

Jessica Mendes: 0 pontos.

Joana Raimundo: 8 pontos.

Neuza Ferreira: 4 pontos.

Total: 41 pontos.


André Sousa: É por estas e por outras que prefiro que os países façam uma pausa de um ano, em vez de trazerem estas porcarias. 

Andreia Valente: Alguém lhe vista uma camisola!

Catarina Gouveia: Tirou-me da depressão em que entrei ao ouvir tanta balada chata! Thank the Lord!

Daniel Fidalgo: Unicórnios à solta em Kiev! Tapem os olhos russos!   

Diogo Canudo: Montenegro, aprecio a tua ousadia mas TOO MUCH é TOO MUCH!

Elizabete Cruz: Shame on me por me divertir com coisas tão más.

Jessica Mendes: Onde está o Rambo Amadeus quando precisamos dele?

Joana Raimundo: “I surrender”.

Neuza Ferreira: Conchita só há uma. Desistam.


1.º Azerbaijão - 77 pontos; 2 Finlândia - 68 pontos; 3.º Bélgica - 63 pontos; 4.º Austrália - 60 pontos; 5.º Albânia - 56 pontos; 6.º Geórgia - 46 pontos; 7.º Montenegro - 41 pontos.


AVALIA TU TAMBÉM AS MÚSICAS DO ESC 2017!

Este ano, a pontuação final será descoberta pela junção de votos do público (os nossos leitores) e do júri (a equipa CE). Para isso, basta apenas pontuar de 0 a 12 cada música a concurso [AQUI].

Vídeo: Eurovision Song Contest
Com tecnologia do Blogger.